Incontinência Urinária é a perda involuntária da urina pela uretra. Afeta pessoas de ambos os sexos em diferentes faixas etárias.

A incidência aumenta progressivamente com a idade, sendo que um em cada três indivíduos idosos apresenta algum problema com o controle da bexiga. As mulheres, contudo, têm três vezes mais chances de sofrerem incontinência, principalmente por causa do esforço físico causado pela gestação e por uma queda nos níveis de estrogênio depois da menopausa. A perda involuntária de urina é uma condição constrangedora e tem conseqüências na qualidade de vida, causando muitas vezes marginalização do convívio social e frustrações psicossociais. Em virtude do medo de algum “acidente” muitas pessoas evitam a prática de esportes e atividades sociais. Até mesmo atos corriqueiros como tossir, espirrar ou dar risada pode acarretar em perda de urina e colocar o incontinente em uma situação desconfortável.

Sistema de Controle Urinário

Os rins produzem constantemente urina, que é armazenada na bexiga. A parte mais baixa da bexiga está circundada por um músculo (o esfíncter urinário) que permanece contraído para manter fechado o canal que leva a urina para fora do corpo (a uretra), de modo que a urina fica retida no interior da bexiga até que ela encha.

Quando a bexiga enche, estímulos são transmitidos ao cérebro e o indivíduo toma consciência da necessidade de urinar. Ele pode então, de modo consciente e voluntário, decidir se irá urinar ou não. Quando a decisão tomada é a de urinar, o músculo do esfíncter relaxa, permitindo que a urina flua através da uretra ao mesmo tempo em que os músculos da bexiga (músculo detrusor) contraem para empurrar a urina para fora. Esta força de expulsão pode ser aumentada com a contração dos músculos da parede abdominal e do assoalho pélvico para aumentar a pressão sobre a bexiga.

O processo completo de retenção e liberação da urina (micção) é complexo e a capacidade de controlar a micção pode ser comprometida em diferentes etapas do processo devido a várias anormalidades. O resultado dessas anormalidades é a incontinência urinária (perda de controle).