Circuncisão: Quando fazê-la?

Noventa por cento dos recém-nascidos apresentam o que podemos chamar de fimose fisiológica, ou seja, uma impossibilidade de retrair completamente o prepúcio exteriorizando a glande.

Porque fisiológica? Porque parece ser um fenômeno natural que até os três anos de idade desaparece em cerca de 90% das crianças, permanecendo apenas em 1% dos adolescentes (1).Mesmo assim, a postectomia continua sendo feita alargadamente em algumas sociedades, por motivos culturais e religiosos, inclui-se aqui os israelitas, muçulmanos e alguns grupos étnicos da África; nos países de origem anglo-saxônica, parece haver finalidade cosmética ou preventiva sendo realizada nos Estados Unidos em até 63% dos meninos (2). Globalmente, 1/6 dos homens são circuncisados por razões religiosas, médicas ou opções dos pais. A Academia Americana de Pediatria expressou sua preocupação com o uso indiscriminado da circuncisão, advertindo que não haveria indicação médica absoluta para fazê-la rotineiramente, e que se deveria discutir com os pais as potenciais vantagens e complicações da cirurgia (3).

Recém-nascidos apresentam o que podemos chamar de fimose fisiológica.
Recém-nascidos apresentam o que podemos chamar de fimose fisiológica.

No intuito de oferecer outra opção para o tratamento da fimose, surgiram na década de 90 inúmeras publicações recomendando o uso tópico de corticosteróides em diferentes formulações, apresentando taxa elevada de sucesso (4,5,6). Seria a cura exclusivo efeito do tratamento? Teria havido aceleração do processo de melhora espontânea? Lembremos que aos 17 anos, apenas 1% dos pacientes permanece com fimose e que a maioria dos pacientes tratados estavam abaixo dessa faixa etária. É importante pontuar também que muitos dos pacientes permaneceram com um prepúcio longo e que a higienização nem sempre é adequada.

Habitualmente indicamos a postectomia antes dos três anos nos pacientes com diagnóstico pré-natal de anomalias importantes do trato urinário, como válvula de uretra posterior, refluxo vesicourteral de grau elevado, pacientes com infecção urinária de repetição e em balanopostites recorrentes.  Sabemos que a infecção urinária é quatro vezes menos freqüente em pacientes circuncisados (7). Após os três anos, discutimos com os pais a conveniência da postectomia em pacientes com impossibilidade de exteriorização da glande.

Ocorre que cada vez mais, surgem estudos importantes com alto nível de evidência, provando o efeito benéfico da circuncisão na prevenção de úlceras penianas, balanopostites e contaminação pelo vírus do HIV (8,9,10). A queratinização do prepúcio remanescente seria uma barreira de proteção além de que a parte interna do prepúcio contém muitas células especiais tais como as de Langherhans, que são alvos preferenciais para o vírus do HIV (11,12).

Não bastasse a prevenção da infecção pelo vírus do HIV, sabemos ser o Brasil, um dos países com mais alto índice de câncer de pênis, doença cujo efeito devastador é desnecessário salientar aqui. Índice de 5,7% no Nordeste, 5,3% no Norte e 3,8% no Centro-Oeste entre as neoplasias malignas no homem, atestam a significância desta doença entre nós, principalmente, nas regiões mais carentes do país (13). Há muito sabemos ser a fimose o mais importante fator de risco para desenvolvimento de câncer de pênis (14). Deveríamos indicar com mais freqüência a postectomia para prevenção de câncer de pênis? A época da circuncisão como efeito protetor não é bem clara, havendo indícios que seria mais efetiva no período neonatal (15).

A discussão continuará. Os trabalhos do Kênia, África do Sul e Uganda recomendam a circuncisão. Compete a nós desenvolvermos estudos adequados à nossa população e às nossas condições específicas no intuito de colaborarmos em políticas de saúde e na nossa própria prática clínica para de fato acharmos a melhor resposta para essa questão.

Referências Bibliográficas

  1. Jack S Ekder. Abdormalities of the genitalia in Boys and their surgical management. In: Walsh PC, Retik AB, Vaugahan ED, Wein AJ, editors. Campbell’s Urology, 8th Ed. Philadelphia: WB Saunders Company, 2002: 3904-7.
  2. Moses S, Bailey RC, Ronald AR. Male circumcision: assessment of health benefits and risks. Sex Transm Infect 1998; 74(5): 368-73.
  3. [No authors listed]: American Academy of Pediatrics: Report of the Task Force on Circumcision. Pediatrics. 989; 84: 388-91. Erratum in: Pediatrics. 1989; 84: 761.
  4. Kikiros CS, Beasley SW, Woodward AA: The response of phimosis to local steroid application. Ped Surg Int. 1993; 8: 329-32.
  5. Jorgesen ET, Svensson A: The treatment of phimosis in boys, with a potent topical steroid (clobetasol propionate 0.05%) cream. Acta Derm Venereol. 1993; 73: 55-6.
  6. Gulobovic Z, Milanovic D, Vukadinovic V, Rakie I, Perovic S: The conservative treatment of phimosis in boys. Br J Urol. 1996; 78: 786-8.
  7. Linda M. Dariki Shortlife. Infetion and Inflamation of the Pediatric Genitourinary Tract. In: Wein AJ, Kavousi LR, Novick AC, Partin AW, Peters CA, editors. Campbell’s Urology,9th Ed. Philadelphia: WB Saunders Company, 2007: 3232-68.
  8. Auvert B, Taljaard D, Lagarde E, Sobngwi-Tambekou J, Sitta R, Puren A. Randomized, controlled intervention trial of male circumcisio for reduction of HIV infection risk: the ANRS 1265 Trial. PLoS Med 2005; 2: e298.
  9. Balley C, Moses S, Parker CB, et al. Male circumcision for HIV prevention in young men in Kisumu, Kenya: a randomized controlled trial. Lancet2007; 369: 643-56.
  10. Gray H, Kigozi G, Serwadda D, et al. Male circumcision for HIV prevention in young men in Rakai, Uganda: a randomized trial. Lancet2007; 369:657-66.
  11. Soilleux EJ, Coleman N. Expression of DC-SIGN in human foreskin may facilitate sexual transmission of HIV. J Clin Pathol 2004; 57: 77-78.
  12. Hussain LA, Lehner T.Comparative Investigation of Langerhans cells and potential receptors for HIV in oral, genitourinary and rectal epithelia. Immunology 1995; 85: 475-484.
  13. Favorito LA, Nardi AC, Ronalsa M, Zequi SC, Sampaio FJB, Glina S. Epidemiologic Study on Penile Cancer in Brazil. International Braz J Urol. 2008; 34:587-93.
  14. Maden C, Sherman KJ, Beckmann AM, Hislop TG, The CZ, Ashley RL, et al.: History of circumcision, medical conditions, and sexual activity and risk of penile cancer. J Natl Cancer Inst. 1993; 85: 19-24.
  15. Stancik I, Holtl W: Penile cancer review of the recent literature. Curr Opin Urol. 2003; 13: 467-72.

1 Comentário

  1. This is the right blog for anyone who wants to find out about this topic. You realize so much its almost hard to argue with you. You definitely put a new spin on a topic thats been written about for years. Great stuff, just great!

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*